Menu

A cantora Zizi Possi apresenta seu novo show “Tudo se transformou” em Salvador, no dia 13 de setembro (sexta-feira), às 21h, no Teatro Castro Alves. Baseado no repertório escolhido para seu novo trabalho, gravado ao vivo em São Paulo, o espetáculo leva o nome de um dos mais belos sambas de Paulinho da Viola. Os ingressos custam R$ 120 (filas A a P), R$ 100 (filas Q a Z) e R$80 (filas Z1 a Z11) e estão à venda nas bilheterias do teatro.
Zizi ouviu músicas de diversos compositores para incluir no repertório do novo trabalho. Entre as escolhidas, Zizi canta “Cacos de Amor” (Luiza Possi/Dudu Falcão) e “Sem Você” (Arnaldo Antunes/Carlinhos Brown) – canções inéditas na sua voz, além de “Meu  Mundo e Nada Mais”, que registrou no início do ano para um CD em homenagem a Guilherme Arantes, e a inédita “No Vento”, da compositora gaúcha Necka Ayala. Zizi ainda resgata “Com que Roupa” (Noel Rosa) e “Filho de Santa Maria” (Itamar Assumpção/Paulo Leminski), gravadas nos discos “Sobre Todas as Coisas” (1991) e “Mais Simples” (1996), respectivamente.
Para acompanhá-la, Zizi Possi terá o Maestro Jether Garotti Jr. (piano e clarineta), Rogério Delayon (violão e cordas) e Guello (percussão).
“Não sou eu quem entende de música. É a música que entende tudo de mim”. Zizi Possi

Um pouco mais sobre Zizi Possi
Zizi Possi ou Maria Izildinha é neta e bisneta de italianos. Paulistana do Brás, nasceu em 28 de março de 1956 e começou a estudar piano bem cedo, aos cinco anos de idade. Dada a rapidez com que aprendia, mudou de professores e métodos muito rapidamente.
Aos 18 anos, foi morar com o irmão mais velho em Salvador, onde ficava a Escola de Música da Universidade Federal da Bahia, considerada a melhor da América Latina na época. Nessa escola, cursou Composição e Regência durante 2 anos.
Ainda em Salvador, foi professora de música em um projeto de reestruturação social e arquitetônica do Pelourinho, trabalhou em várias peças teatrais e musicais, onde interpretava, cantava e compunha algumas das trilhas. Gravou também alguns jinglespara Alcivando Luz, músico e produtor de publicidade, e participou de especiais da TV local.
Em 1977, Roberto Menescal, na época diretor artístico da gravadora Philips, assiste Zizi Possi pela primeira vez em um programa piloto de TV. No ano seguinte, já no Rio de Janeiro, a cantora assina com a gravadora e lança “Flor do Mal”, seu primeiro LP.
Dois anos depois, consolida-se como cantora popular através de sucessos como “Pedaço de Mim” (que gravou em 1978 a convite de Chico Buarque), “Nunca”, “Meu Amigo, Meu Herói”, “Asa Morena”, “O Amor Vem Pra Cada Um” (versão de “The Love Come To Everyone”, de George Harrison), “Caminhos de Sol”, “Perigo”, “A Paz”, “Esquece e Vem”, entre outras.
No início dos anos 1990, Zizi dá uma guinada na vida pessoal e profissional, volta a São Paulo, rompe com sua gravadora e parte para um novo desafio, reconhecido posteriormente como um divisor de águas em sua carreira. Concebe, arranja e interpreta três trabalhos em um formato inusitado na época, mas muito conhecido hoje: o tal acústico. “Sobre Todas as Coisas”, “Valsa Brasileira” e “Mais Simples” são considerados obras-primas e marcam definitivamente a carreira de Zizi e a música popular brasileira.
Em 1997, surge a proposta de gravar um CD em italiano (“Per Amore”), que alcançou estrondoso sucesso, foi aplaudido pela crítica e pelo público. No ano seguinte, Zizi lança o CD “Passione”, considerado continuação do enorme sucesso “Per Amore”. Juntos, esse dois álbuns venderam mais de 1 milhão de cópias.
O disco seguinte, “Puro Prazer” (1999), interpretado só com voz e piano, foi indicado ao Grammy Latino em três categorias e, embora não tenha sido divulgado à altura, vendeu mais de 100 mil cópias em menos de 30 dias.
Em 2002, a pedido do presidente da gravadora Universal Music, Zizi lança o disco “Bossa”, no qual coloca a bossa nos ritmos e canções onde percebia que ela já existia como, por exemplo, “Yesterday”, dos Beatles. Neste disco, a cantora também dá sua assinatura para a música de Bebel Gilberto, Cazuza e Dé "Preciso dizer que te amo".
Neste mesmo ano, decepcionada com a gravadora e já prevendo uma modificação irreversível no mercado musical, rompe com a Universal Music e decide permanecer desligada de contratos. Em decorrência de problemas pessoais, Zizi entra em um processo de depressão que dura três anos.
Em 2005, é convidada a preparar um repertório totalmente em inglês para apresentar no palco da Bourbon Street, casa de música americana em São Paulo. Passeando pela música norte-americana sem fronteiras de tempo ou de estilo, apenas norteada pelo seu senso estético musical, Zizi Possi e seu maestro e músico Jether Garotti Jr. mergulham durante três semanas e submergem com um novo show/concerto, que viria a ser o embrião de seu 18º disco: “Para inglês ver... e ouvir”. O show, primeiro disco ao vivo de Zizi Possi, foi registrado em CD e DVD sob a direção de José Possi Neto e produção de Manoel Poladian e lançado em dezembro do mesmo ano.
O ano de 2008 é brindado por uma temporada de três meses na casa de shows paulistana TOM JAZZ para celebrar os 30 anos de carreira de Zizi Possi. Dirigidos por José Possi Neto, os shows apresentaram repertórios diferentes e convidados como Ana Carolina, Edu Lobo, João Bosco, Ivan Lins, Alceu Valença, Alcione, Eduardo Dussek, entre outros.
A celebração se transformou em dois DVDs, Cantos e Contos 1 e 2, lançados em 2010 pela gravadora Biscoito Fino, e também no novo show de Zizi Possi, que incorpora repertório inédito em sua voz com alguns dos grandes sucessos que pontuaram sua brilhante carreira.
 
Topo