Menu

A primeira edição do Eu Vivo Música em Salvador, na noite deste sábado (25), na Praça Wilson Lins, na Pituba, deixou uma impressão positiva para o público, estimado em 30 mil pessoas. A expectativa de quem curtiu, de graça, shows da Orquestra ComPassos, Preta Gil e Psirico, já é pela próxima edição do projeto, realizado pela Vivo com apoio do Ministério da Cultura, ainda sem data confirmada.

“Grandes empresas, como a Vivo, estão preocupadas em usar as Leis de Beneficio em busca da difusão e da democratização da música brasileira. Grandes bandas como Psirico e Preta Gil dificilmente se apresentam de graça com a mesma qualidade de palco, som e luz com que se apresentam em espetáculos fechados. Foi uma oportunidade única para Salvador”, destacou Sérgio Ajzenberg, diretor-presidente daDivina Comédia Produções Artísticas, responsável pela produção do projeto nas duas edições anteriores, em Recife e no Rio de Janeiro.

“Esta foi a vez de Salvador e, em abril, seguimos para Manaus. A meta da Vivo é realizar pelo menos cinco por ano, em diferentes capitais e cidades”, completou Ajzenberg, feliz com o resultado da primeira edição na capital baiana do Eu Vivo Música, realizada em parceria com aCaderno2 Produções.

Abrindo a noite, a Orquestra ComPassos, composta por músicos profissionais de alto nível, trouxe composições eruditas e populares ao público, com identidade musical diferenciada. Entre os baianos que foram conferir a apresentação, era visível o encanto e satisfação com a música instrumental, nem sempre tão acessível e difundida.

Há mais de um ano sem fazer show em Salvador, Preta Gil mostrou que tem sangue baiano correndo na veia. A cantora apresentou o Bloco da Preta, projeto que lota casas de show no Rio de Janeiro e que, em breve, ela espera trazer para a capital baiana e, cheia de energia, arriscou hits do Axé e do Pagode no repertório.

Feliz por estar em Salvador, a cantora ainda fez participação no show da banda Psirico, que, em visível ascensão no cenário musical, foi responsável por lotar a praça e levar o público à loucura com sucessos como “Lepo Lepo” até as 23h, quando foi encerrado o evento.
 
Topo